Skip to content

Categories:

Manifesto

MANIFESTO DO GRUPO POPULAR PESQUISA EM AÇÃO

Em resposta à tradicional maneira de produzir conhecimento adotada pela Academia e às influências da lógica da produtividade do mercado, o Grupo Popular Pesquisa em Ação, fundado e atuante no Rio de Janeiro, está sendo construído. Formado por ativistas que percebem a importância da pesquisa voltada para as lutas sociais e fruto de suas demandas, o grupo popular pretende ser uma alternativa que reconhece a importância da Universidade e, ao mesmo tempo, visa lhe dar outro sentido. Entende que uma Universidade deve servir aos interesses do povo e não a demandas privadas e, para isso, deve possuir sua participação ativa, além de ter acesso livre, sem restrições, provas ou vestibulares. Diante disso, esse Manifesto é um ponto de partida para a construção do grupo e um convite para a sua ampliação.

Por que “Grupo Popular Pesquisa em Ação”?


GRUPO: o grupo é horizontal, apartidário, anticapitalista, não-hierárquico, antifascista, anti-sexista e revolucionário, unido pelo princípio de construir um conhecimento livre das restrições acadêmicas e do capital.

A Universidade, seus recursos e seu papel na transformação e produção de conhecimento são importantes. No entanto, os interesses do mundo acadêmico de hoje são muito subservientes à lógica do mercado. Por isso, o grupo popular é independente e busca dialogar tanto com a Universidade, como com os movimentos sociais e grupos políticos. Para tanto, visa não ser apenas uma ponte entre esses dois espaços, mas uma proposta de estímulo a uma construção de conhecimento autônoma, fruto dos movimentos sociais e das lutas populares. A produção de conhecimento é baseada em pesquisa individual e coletiva, leitura e debates de textos e propostas, onde dúvidas, anseios e inquietações são compartilhadas.

POPULAR: o grupo está aberto a qualquer pessoa, acadêmica ou não, que queira participar – ativistas, trabalhadores, estudantes, pesquisadores etc – e que esteja disposta a atuar de acordo com os princípios e fundamentos do grupo, reconhecendo que o conhecimento não é apenas o oficial da academia, mas, também, o construído coletivamente na prática diária e na rua.

A relação recorrente que pesquisadores têm com os movimentos sociais, como objetos a serem observados, apesar de haver um extenso debate sobre isso nas diversas áreas de conhecimento, ainda produz uma constante segregação entre o saber acadêmico e o saber popular de forma hierarquizada. E por mais engajados que sejam os debates a estrutura acadêmica não permite essa superação. Além de restringir o conhecimento produzido ao mundo acadêmico, muitas vezes sem deixar nenhum retorno ou benefício para quem está sendo só pesquisado, frequentemente não o enxerga como sujeito ativo de mudanças.

Esse conhecimento precisa ser produzido coletivamente e compartilhado. A pesquisa não deve se restringir ao grupo nem é apenas da responsabilidade de alguns técnicos ou especialistas, apesar da importância do estudo técnico e especializado. O próprio movimento, juntamente com o grupo, deve ser o sujeito da produção do conhecimento, voltado para as necessidades de suas lutas.

PESQUISA: a pesquisa é fundamental para o avanço das lutas políticas e sociais. Ela precisa ser livre das interferências dos interesses capitalistas para que possa servir aos grupos políticos e aos movimentos sociais revolucionários.

Através da pesquisa é realizada uma reflexão crítica, dotando o movimento de conhecimentos específicos e gerais para compreender a sociedade em que vivemos e, ao mesmo tempo, para desenvolver mecanismos que permitam auxiliar em sua transformação. A pesquisa organiza e sistematiza o conhecimento e permite desenvolver métodos e ferramentas de apoio e análise para aperfeiçoar a atuação dos grupos e movimentos. Além disso, a pesquisa é a possibilidade de socializar os conhecimentos produzidos.

De acordo com esses princípios, a universidade e a pesquisa devem estar a serviço do movimento. A pesquisa vem ao grupo e volta para as mãos do movimento. As perguntas surgem coletivamente pelos pesquisadores como militantes e por qualquer grupo ou ativista que deseja participar desse processo de construção de conhecimento.


EM AÇÃO: a pesquisa do grupo vem da ação e as perguntas, das lutas diárias. A pesquisa deve estar nas mãos do movimento. O que se aprende na faculdade, na vida, na rua e no trabalho deve ser usado para a luta, para ajudar a entender melhor o mundo, seus conflitos e contradições e, ao mesmo tempo, pensar e elaborar quais são as estratégias mais eficazes para a construção de uma nova sociedade.

A pesquisa se ​aplica não só para alcançar novos resultados, mas como um processo dinâmico de educação, capacitação e crescimento coletivo. A pesquisa tem base no princípio da participação ativa, que começa a partir de uma formulação coletiva de objetivos, desenvolve-se de forma dinâmica, envolvendo todos os atores envolvidos e pode produzir conhecimento útil na prática diária da revolução.


No Responses (yet)

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

You must be logged in to post a comment.